Em todas as idades é muito importante procurar o médico oftalmologista pelo menos uma vez ao ano. Esse cuidado com a saúde pode prevenir doenças e também trazer conforto para todas as fases da vida.

Comum em todas as etapas é a importância de não decidir por um tratamento sem procurar o médico Os olhos precisam de cuidado como qualquer outro órgão do corpo e possui doenças silenciosas. Por isso ir ao oftalmologista e seguir o recomendado é zelar pela saúde ocular.

Leia as dicas por idade que o Dr. Carlos Gustavo Leite Vieira preparou para os leitores e entenda um pouco mais sobre quando procurar o seu oftalmologista!

De 0 a 10 anos

Nessa fase é muito importante acompanhar o desenvolvimento da criança. Na primeira semana de vida o bebê fará o teste do olhinho e verificar se não existem problemas congênitos, como o glaucoma ou a catarata.

Em sequência, os pais devem observar e caso percebam sinais do estrabismo, devem procurar orientação. As crianças têm uma resposta melhor a tratamentos. Até os 10 anos é preciso verificar o desenvolvimento escolar; problemas refrativos podem atrapalhar a criança. É importante realizar um exame de refração (óculos) antes dos 6 anos.

Dos 10 a 20 anos

Durante essa etapa é preciso ficar atento aos jovens: é muito comum aparecer adolescentes queixando de cansaço visual, embasamento visual; com diagnóstico de ceratocone e problemas refrativos (miopia, astigmatismo, hipermetropia).

Todos eles precisam de acompanhamento do oftalmologista para prevenção e solução. O ceratocone, por exemplo, surge dos 15 aos 25 anos. É uma doença que afina a córnea e se a evolução for sem o acompanhamento pode chegar à cegueira completa.

Dos 20 aos 40 anos

Além do acompanhamento regular do oftalmologista, é relevante à atenção com alguns detalhes, que no dia a dia podem passar despercebidos:

–  Uma pessoa que tenha parentes de primeiro grau com diagnóstico de glaucoma deve procurar um médico para evitar os sintomas graves, porque a chance de ter a mesma doença é maior.

– Em situações de dores fortes nos olhos e inflamações, o correto é procurar um oftalmologista. Utilizar de colírios sem orientação pode camuflar os sintomas e trazer problemas futuros irreversíveis.

– As mulheres devem ter atenção com o uso de maquiagem fora da validade e os homens devem procurar o médico em caso de acidentes oculares, antes de resolver o problema sozinho.

– As lentes de contato precisam de cuidados na higienização para evitar grandes danos à saúde ocular.

Dos 40 a 50 anos

Dos 40 aos 50 anos torna ainda mais relevante ir anualmente ao oftalmologista porque algumas doenças aparecem nessa etapa e podem levar a cegueira irreversível.

Realizar o exame de fundo de olho evita que doenças oculares e sistêmicas avancem. Pacientes com diabetes, por exemplo, possuem um risco de perda da visão 25 vezes maior que os demais.

Por isso, o hábito de cuidar dos olhos é imprescindível. Algumas das queixas comuns são vista cansada, dificuldade de focar imagens, lacrimejamento e todos podem ser solucionados em consultas. Problemas oculares se tratados no início aumentam as chances de cura ou interrupção do avanço da doença.

A partir dos 50 anos

Catarata e DMRI (Degeneração Macular Relacionada à Idade) são muito comuns a partir dos 50 anos. Nessa fase da vida o mais importante é sempre seguir as orientações do oftalmologista e acompanhar para que os sintomas não tenham danos.